Como separar a conta física da conta jurídica

9 minutos para ler

A organização é uma peça fundamental para garantir que o controle e planejamento financeiro esteja sempre em dia. 

Entretanto, para quem atua como empresário e possui o próprio negócio, a simples tarefa de organizar as finanças pode se tornar um grande desafio.

Afinal, a separação da conta física da conta jurídica é essencial para evitar prejuízos e surpresas negativas no orçamento.

Você quer saber como separar as contas? Continue conosco e saiba como fazer essa divisão sem dor de cabeça!

Por que separar as contas?

Para manter o controle financeiro da empresa em dia, é preciso saber separar os gastos e rendimentos e entender o quanto de lucro está sendo gerado e como anda o fluxo de caixa da empresa. 

Dessa forma, o proprietário terá mais segurança quanto a tomada de decisões e irá garantir a durabilidade do negócio. Mas, para que tudo ocorra conforme o planejado, as despesas de pessoa física e jurídicas não devem ser misturadas.

Essa é uma medida primordial para evitar que o planejamento financeiro seja comprometido e até mesmo para fugir de problemas com a Receita Federal. 

Ao mesclar a conta física e jurídica para recebimentos, pagamentos, e controle de caixa, você corre o risco de acumular dívidas e não possuir caixa para investimentos.

Portanto, ao não realizar essa divisão, a empresa pode perder a reserva financeira  e o proprietário poderá perder o domínio sobre as contas pessoais, ao ponto de não saber quanto possui em caixa para gastar.

A pessoa física também pode ser prejudicada ao utilizar cartões com o próprio nome para solicitar empréstimos que seriam usados na empresa.

Além da impossibilidade de possuir um planejamento financeiro bem feito, ao misturar pessoa física e jurídica, você terá dificuldades em realizar relatórios financeiros para análise, conseguir financiamentos bancários e ainda enfrentar problemas fiscais. 

Portanto, para  obter total controle sobre as suas finanças e evitar o risco de ser impactado com problemas relacionados a imposto de renda, tributos, multas, entre outros, é preciso realizar a separação das contas física e jurídica.

Como separar as finanças da pessoa física da pessoa jurídica

Separar o dinheiro da empresa do pessoal é um desafio para quem ainda não possui este hábito. Pensando nisso, separamos alguns passos fundamentais para você que deseja começar a organizar melhor as suas finanças.

Crie contas diferentes

Ao alocar locais diferentes para os rendimentos de pessoa física e jurídica, você irá evitar a confusão de administrar as despesas pessoais e da empresa na mesma conta corrente. 

Outro benefício de separar as contas, é a facilidade para controlar os gastos. Algo que proporciona mais segurança para que você consiga fechar o caixa e ainda educar, automaticamente, a sua mente com relação à qual dinheiro é da empresa e qual dinheiro é da pessoa física.

Com as contas separadas, deixe como nota mental e se possível visual o recado:

“Nunca devo usar o dinheiro da minha conta física para tapar o prejuízo da minha conta jurídica e vise-versa”.

Este mandamento é necessário para que você se lembre de não cair nessa armadilha que muitas pessoas cometem com frequência. Se você optar por “tapar o buraco” de uma conta com outra, ao longo do tempo você corre o sério risco de perder o total controle do caixa da empresa e da sua vida financeira pessoal.

Defina as retiradas

Para que o plano de separar a conta física da conta jurídica funcione, é importante que você também consiga definir um valor fixo de retirada. Não é recomendável tomar todo o lucro para você.

Portanto, tanto você quanto os sócios  da empresa devem possuir um valor de pagamento definido que poderá variar de acordo com os resultados ganhos na empresa naquele período.

Dessa forma, caso o negócio esteja bem e superando as metas, você ganhará mais. Porém, caso os resultados não sejam bons, o seu salário fixo estará garantido da mesma maneira.

Mas como calcular o salário que devo receber mensalmente?

Você pode ter como base o mês que obteve o menor faturamento da empresa. Com este valor, calcule quando entrou e saiu de dinheiro, levando em consideração apenas despesas e custos jurídicos.

Com essa diferença em mãos, você poderá separar uma parte do dinheiro para a reserva da empresa e definir o restante como salário. 

Outra forma de realizar este cálculo, é por meio da meta mensal de faturamento da empresa. Para isso, calcule quanto você gostaria de ganhar a cada mês para viver. Com este valor em mente, você pode somar todos os custos e despesas da empresa com o percentual já separado para a reserva financeira.

Com a meta definida, você terá em mente qual valor deve ser atingido todos os meses para que você ganhe o salário pretendido. Mas, lembre-se que, neste caso, o salário irá caminhar junto à meta. Caso ela não seja atingida, a remuneração será menor.

Tenha reservas

Com as contas separadas e as retiradas mensais pré-definidas, busque preparar a sua reserva financeira. Com essa reserva, você estará preparado para enfrentar possíveis imprevistos.

Este dinheiro guardado, poderá ajudar em tempos de crise ou até mesmo a movimentar o capital de giro no futuro. 

Portanto, comece a pensar na reserva, que pode ser feita tanto para as suas finanças pessoais quanto jurídicas. Além de proporcionar mais segurança, guardar parte do dinheiro é sempre uma ótima forma de se prevenir contra gastos desnecessários que podem prejudicar suas finanças no presente.

Saiba mais: MEI precisa ter conta jurídica?

Dicas para separar as contas

Antes de colocar a mão na massa e começar a separar as contas, acompanhe as nossas dicas para realizar essa tarefa de forma mais organizada e assertiva!

Você sabe qual é o lucro real da sua empresa e qual é o valor total das despesas pessoais, tanto fixas quanto variáveis todos os meses?

Para responder a essa e outras perguntas, é preciso que você conheça todos os rendimentos e gastos melhor do que o banco. Mas, como fazer isso?

Caneta e papel na mão

Busque colocar tudo em um papel ou em uma planilha simples. Anote todas as contas da empresa de um lado e todos os gastos pessoais do outro. Despesas com fornecedores, aluguel, água, luz, tudo deve ser incluído no seu controle financeiro.

Quanto mais detalhado forem as anotações, mais próximo você estará de compreender quais são os gastos da empresa e pessoais. Este diagnóstico financeiro vai te ajudar a descobrir a receita real (quanto de dinheiro entrou) e a despesa real (quanto de dinheiro saiu).

Além disso, você também será capaz de avaliar quanto de dinheiro sobrou no final das contas. Com isso, será possível entender quais foram os gastos relacionados à empresa e quais foram da pessoa física.

Faça uma análise

Esse diagnóstico vai te fazer entender com clareza se a empresa está gerando lucro ou apenas prejuízos. Ao separar as finanças na planilha, é importante separar todas as contas e despesas relacionadas à empresa e a vida pessoal.

Para que essa atividade seja bem executada, é preciso ter em mente quais gastos são da empresa e quais gastos são pessoais. Essa divisão parece simples, porém, na prática, pode acabar ficando um pouco complicada para algumas pessoas.

Imagine a realidade de alguém que utiliza o carro ou o celular pessoal para trabalhar no dia a dia? 

Mas, nem tudo está perdido. Se o seu caso é parecido, uma opção é fazer uma lista com todos os bens que você compartilha entre a empresa e o empreendedor. Nesta lista, também podem entrar a internet e a conta de energia, por exemplo.

Após separar todos os itens, busque avaliar quanto cada bem é usado em cada contexto (empresa e empreendedor). Em um cenário em que o uso seja meio a meio, por exemplo, você pode dividir as contas ao meio.

Mas, caso o uso seja maior do lado da empresa do que do pessoal, faça uma divisão proporcional desses gastos. Assim, você garante que não irá pagar pelas despesas do seu negócio.

Planeje-se

Como vimos, separar a conta física da conta jurídica exige muita organização e planejamento. No início, tudo pode parecer um pouco confuso, mas não desista. Lembre-se que o objetivo final é evitar prejuízos e perdas no futuro.

Portanto, ao separar as contas e contabilizar os gastos e rendimentos tanto da empresa quanto pessoais, você estará investindo em você mesmo e no seu negócio para evitar problemas nas finanças pessoais e jurídicas.

Sendo assim, mesmo que você ainda possua algumas dúvidas sobre como separar as contas, persista em entender mais sobre o assunto.

Anote as nossas dicas e defina um passo a passo para organizar as finanças e obter controle da saúde financeira da sua vida pessoal e jurídica. 

E você pode contar com ajuda de um consultor financeiro. Aqui no GetNinjas você encontra os melhores contadores que vão te ajudar a organizar melhor a sua estratégia financeira e contábil. 

Esperamos que este conteúdo tenha tirado todas as suas dúvidas sobre como separar a conta física da conta jurídica, e a importância de realizar essa tarefa!

Você também pode gostar

Deixe um comentário