Guia do profissional: pet sitter

Mulher segurando um cachorro na frente de um fundo amarelo.
17 minutos para ler

Você quer saber o que é um pet sitter? Então, chegou ao lugar certo!

Neste conteúdo, nós abordaremos:

  • Entender o que faz um pet sitter
  • Quais as suas áreas de atuação
  • Qual a situação do mercado de trabalho para esta profissão
  • Quanto é possível ganhar em média 
  • Vantagens de trabalhar nesse ramo
  • Quais habilidades e conhecimentos são essenciais para o cargo

Daremos também dicas de como ser um profissional de sucesso nessa carreira, além de trazermos os melhores livros para essa área, bem como um glossário com dúvidas interessantes sobre o mundo pet. Acompanhe!

O que faz um pet sitter?

Pet sitter é um termo inglês que significa literalmente, babá de pet. Nesse serviço, o trabalho é feito na casa do cliente, ou seja, do dono do animal, e não no pet shop, como de costume. 

O profissional pet sitter é a pessoa responsável por cuidar do seu animal enquanto o dono não está presente.

Essa modalidade é muito praticada nos Estados Unidos e em outros países e tem chamado atenção por sua versatilidade. Até porque, é comum que os gatos e cachorros se estressem em ambientes novos, o que justifica a ida de um pet sitter até a casa do proprietário.

Pode ser também que o animal esteja com algum problema de saúde, como uma patinha quebrada, por exemplo, o que é igualmente relevante para essa visita.

Outra situação que ilustra bem a necessidade desse profissional são os pássaros que ficam em viveiros, já que esses locais reforçam a precisão de um pet sitter.

Dessa forma, não são apenas os gatos e cachorros que podem se beneficiar dos trabalhos do pet sitter: hamsters, porquinhos da Índia e diversos outros animais podem ser atendidos pelo pet sitter.

Isso demonstra o quanto esse trabalhador pode ser útil em diversas ocasiões e, mais que isso, prova o quão os donos realmente se importam com o bem-estar dos bichinhos de estimação.

Mas você deve está se perguntando: o que o pet sitter faz exatamente?

Bem, o pet sitter vai cuidar do seu animal enquanto você não está em casa, fazendo as tarefas necessárias, como alimentá-lo, dar banho etc. Ele pode executar tanto atividades pontuais como cotidianas, pois o intuito de ambas é proporcionar a qualidade de vida do amigo de quatro (ou mais ou menos) patas.

Essas são algumas das atribuições do pet sitter:

  • Preparar a alimentação e dá-la ao animal;
  • Limpar tigelas, colocando água limpa e comida;
  • Limpar o espaço das necessidades, trocando o tapetinho sujo, o piso ou a caixa de areia, seguido do descarte e processo de higiene recomendado;
  • Trocar fraldas, curativos e outras atividades ligadas à saúde do animal;
  • Passear e brincar com os pets;
  • Dar carinho e fazer companhia ao animal;
  • Gerir e aplicar medicações, caso tenha formação adequada.

No geral, são esses serviços que o profissional pode atuar, porém, dependendo de cada pessoa, mais tarefas podem ser feitas, o que é um diferencial para o pet sitter.

O que você precisa saber para ser um pet sitter

  • Como pet sitter, você que escolher seu modelo de trabalho: pode ser vinculado a um pet shop ou clínica veterinária, ou então, realizado de forma autônoma;
  • O mercado vem demonstrando uma demanda crescente por esse profissional, o que conta ainda mais pontos na escolha dessa carreira;
  • Praticamente todas as pessoas podem ser um pet sitter, desde que gostem e saibam cuidar de pets;
  • Além disso, é preciso ter a responsabilidade de zelar pelo animal de outras pessoas;
  • Com o tempo, o pet sitter pode fazer capacitações e assim dominar mais técnicas, o que permite ampliar a oferta de serviços e, por consequência, seus rendimentos.

Áreas de atuação

Neste tópico nós vamos expor como está o mercado de trabalho para o pet sitter, quais as opções de progresso na carreira e as perspectivas de salário.

Um cachorro e um gato na frente de um fundo amarelo.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para pet sitters é um grande atrativo para os interessados nesse trabalho, afinal, são muitas as oportunidades que esse profissional pode exercer suas atividades e ganhar em cima disso.

E a razão dessa carreira ser tão promissora tem um motivo.

Tudo começou quando, nos Estados Unidos, Patti Moran notou que os pets precisavam de um cuidado especializado. Já em 1994, foi criada a Pet Sitting Internacional, uma escola certificadora de profissionais pet sitter, idealizada para a atuação mundial.

Daí em diante, as pessoas passaram a enxergar a importância do cuidado com os animais, principalmente quando os seus donos e tutores não estão por perto.

Hoje, a profissão de pet sitter se popularizou não somente nos EUA, assim como em outros países, como o Brasil. Os pets sitters podem ser achados tanto em clínicas e pet shops assim como através de prospecção direta quando o profissional é autônomo.

Ou seja, você pode atuar trabalhando para outras pessoas, contratado, ou então pode a sua própria empresa, como uma MEI, por exemplo. Também é possível conciliar as duas alternativas e com isso aumentar o rendimento mensal.

Leia mais: MEI ou ME: entenda o que é mais indicado para profissional autônomo

Outra boa notícia é que quando o pet sitter tiver um pouco mais de experiência na área, ele pode ser um professor, ministrando aulas presenciais ou online para formar outros profissionais como ele.

Nesse sentido, existem plataformas virtuais que possibilitam a hospedagem e venda de cursos onlines. Aliás, essa pode ser uma outra excelente alternativa de incrementar os ganhos, concorda?

Além do mais, não será preciso grandes investimentos para a elaboração do curso, visto que muitos dos assuntos são de natureza teórica e há conhecimentos que só são aprendidos na prática.

Igualmente, é imprescindível se manter atualizado no que é tendência no mercado, justamente para não ficar para trás e perder clientes. 

Por isso, pesquise o que está em alta no âmbito do pet sitter e se organize para se qualificar, pois assim você pode oferecer os melhores serviços aos seus clientes.

Qual a média salarial da profissão? 

A média salarial de um pet sitter vai depender da modalidade de trabalho desenvolvida por ele, isto é, se a atuação é pela CLT ou de forma autônoma. E aqui temos as variações.

Considerando que o pet sitter geralmente é registrado profissionalmente como um cuidador de animais, a média salarial desse trabalhador varia de acordo com seu tempo de experiência na empresa até a sua demissão. 

Assim, seus ganhos giram em torno de:

  • R$ 1.497,17: para até quatro anos de experiência;
  • R$ 1.693,64: de quatro a seis anos de experiência e; 
  • R$ 2.034,45: acima de seis anos.

Lembrando que esses valores podem variar dependendo do estado, região, tamanho da empresa em que está contratado e as formações do profissional.

Quando falamos do trabalho por conta, o pet sitter recebe por hora. Nesse caso, ele cobra o preço entre R$30 a R$40 por hora.

Quando o trabalho envolve passeios, esse valor pode ser aumentado de R$10 a R$80. Assim, o profissional pode faturar até 3 mil por mês, desde que o mesmo tenha uma boa clientela e uma disponibilidade de tempo necessária.

Em épocas de alta temporada, quando as pessoas viajam bastante e deixam seus bichinhos, é possível ganhar uma renda extra. Há relatos de pet sitters que já faturaram até 15 mil reais nesses períodos.

Por que trabalhar como pet sitter

Separamos alguns motivos para seguir esse trabalho:

  • Atuando como pet sitter, você pode se dedicar integralmente a essa função ou então conciliá-la com outro trabalho;
  • As pessoas estão procurando cada vez mais esse profissional, o que faz ele ser bem requisitado em todas as épocas do ano;
  • Para começar, você não precisa gastar muito dinheiro;
  • Se você for um trabalhador independente, com a organização é possível determinar os melhores dias e horários para atendimento;
  • Você pode trabalhar tanto para uma empresa ou para si próprio, ou também das duas formas;
  • Trabalhar com pets é algo prazeroso; 
  • No caso do trabalho autônomo, é você quem decide qual cliente e tipos de animais deseja atender;
  • Se você gosta ou tem mais habilidades para um certo tipo de animal, pode se especializar apenas nesse pet.

Viu só como vale a pena? Por isso, saiba a seguir quais as habilidades e os conhecimentos são necessários para ter sucesso como pet sitter.

Pré-requisitos para esta profissão

Você já pensou no que é necessário, antes de tudo, para ser um pet sitter?

Em primeiro lugar, podemos afirmar que esse profissional precisa gostar de animais. As demais competências, como estilo de vida do pet e alimentação, por exemplo, ele vai aprendendo com a teoria e prática.

Pessoa passeando com três cachorros

Mas voltando ao assunto principal: é preciso ter gosto pela área animal. Até porque se você não curte cuidar dos bichinhos, provavelmente não vai se esforçar o suficiente para cumprir as obrigações e o pior: pode até prejudicar a saúde do bicho de estimação.

Também é essencial ter um pouco de prática com os pets, pois muitas pessoas até gostam de ter um gato ou cachorro em casa, mas isso não significa que elas sabem cuidar dos bichinhos dos outros.

Por isso, é vital fazer cursos focados na aquisição de habilidades do ramo pet, como um curso rápido sobre aplicação de vacinas, ou uma formação sobre adestramento de cães etc.

Isso porque trabalhar como pet sitter te coloca em situações em que é preciso pensar rápido. Às vezes acontecem imprevistos, e é nesse momento que você vai entrar em ação.

Sendo assim, é interessante que você tenha/desenvolva as seguintes habilidades:

  • Conhecimento de acessórios do mundo pet;
  • Habilidade para tarefas manuais;
  • Seja higiênico;
  • Seja organizado;
  • Tenha ciência das boas práticas no trato com os animais;
  • Possua um conhecimento básico sobre a lei de proteção animal;
  • Saiba lidar com imprevistos;
  • Esteja aberto a novos conceitos e atualizações;
  • Seja atencioso;
  • Ter uma boa comunicação para se comunicar com o público e conquistar os clientes.

Lembrando que essas competências podem ser atingidas com cursos especializados e através da prática mesmo. 

Elas não determinam a entrada do profissional no mercado de trabalho, mas sem dúvidas, o ajudam bastante a se destacar na carreira.

Formação desejada

Para ser um pet sitter não é preciso ter uma formação específica. 

Porém, é muito importante fazer um curso na área, com o intuito de se preparar para melhores oportunidades e assim ganhar mais.

Dessa forma, quanto mais conhecimento a pessoa tiver, maiores serão as chances de ela ocupar um posto de trabalho qualificado e com um bom salário.

Além do mais, uma coisa que atrai clientes é a indicação. Só que para ter indicação é necessário fazer um ótimo serviço, concorda? Então, o recomendado é se especializar no setor pet. Hoje, existem inúmeros cursos presenciais e também onlines, que podem ser feitos na comodidade de casa.

Nós fizemos uma listinha com alguns desses cursos. Aproveite para conferir:

  • Curso Pet sitter, da Escola Educação;
  • Curso de Formação em Pet Sitter, da Elipsi;
  • Curso de Pet sitter (babá de animais), da Cemev Cursos;
  • Curso Pet Sitter | Babá de Animais, da Kdemy;
  • Curso Cuidador de Cães, da Pensar Cursos.

Lembrando que não estamos entrando em detalhes sobre os valores dessas formações, ou seja, caso você tenha se interessado por um desses cursos, o certo é pesquisar na internet sobre o preço e pré-requisitos, tudo bem?

Como pudemos ver, o que não faltam são opções de aperfeiçoamento. Assim, o pet sitter tem um mundo de informações e conteúdos a sua disposição, o que fará dele um profissional exemplar.

Dicas

Está gostando de conhecer a carreira de pet sitter? Então confere as dicas e os livros primordiais para ter sucesso nessa profissão!

Como ser um profissional de sucesso

Como o próprio título sugere, e por tudo que dissemos até aqui, você já deve ter notado que para ser um pet sitter é necessário ir além de apenas gostar de animais.

Um profissional de sucesso não depende exclusivamente do serviço prestado, mas também de outros pontos relacionados ao seu atendimento. 

Ele tem de saber se vender, gerir suas finanças e, principalmente, procurar os saberes que estão surgindo no mercado, em vista de oferecer uma melhor experiência aos clientes.

Pensando nisso, analise essas dicas que elaboramos para você ter sucesso na sua carreira de pet sitter.

  • Faça o seu marketing pessoal

Divulgue, divulgue e divulgue seu trabalho, mas da forma certa! Teste as redes sociais e perceba qual tem mais engajamento na sua estratégia.

Daí, invista nesse perfil e poste com frequência conteúdos que possam chamar atenção para suas habilidades, pois com isso você tem mais probabilidade de atrair pessoas para sua cartela de clientes.

  • Estude 

Embora seja muito prazeroso, trabalhar como pet sitter te coloca em situações inesperadas, o que é comum na profissão.

Nesse sentido, é preciso estudar o que geralmente é feito nesse tipo de ocasião. 

Na maior parte das vezes, o próprio curso de formação em pet sitter tem um módulo falando sobre isso, mas nunca é meia reforçar esse conhecimento.

  • Tenha uma boa gestão financeira 

Em qualquer trabalho, é primordial saber usar o rendimento mensal. Isso porque nunca sabemos quando vai acontecer um imprevisto financeiro.

Logo, evite gastos desnecessários e separe de antemão o dinheiro para as despesas do mês e para a reserva de emergência.

Aliás, é interessante guardar um pouco para fazer cursos de atualização e adquirir novos materiais de trabalho.

  • Crie uma boa relação com os clientes

Opte sempre por uma comunicação clara e objetiva. Mostre que você é aliado do seu cliente no zelo do animal e assim demonstra que se importa com ele.

Afinal, clientes satisfeitos se fidelizam e indicam seu nome para amigos, familiares e conhecidos.

Gostou dessas dicas? Além desses pontos relevantes, vamos agora para outra maneira maravilhosa de adquirir conhecimento: por meio de livros. 

Melhores livros sobre a profissão

Já dissemos que uma das maneiras de se colocar como um profissional atualizado é sempre procurar novos conceitos sobre a área de atuação. 

Sendo assim, vale muito a pena ler e estudar alguns livros focados no cuidado pet e afins.

E caso você não tenha ideia de quais são esses livros, nem se preocupe, pois nós já fizemos uma lista com os melhores livros relacionados a esse mercado. 

Veja as principais obras sobre pet sitter, cuidados animais e empreendedorismo:

  • “Os Animais em Nossa Vida. Família, Comunidade e Ambientes Terapêuticos”, de James A. Griffin, Peggy McCardle e Sandra McCune;
  • “Latidos de sabedoria: Manual para uma vida incrível com seu cão” e “Miados de sabedoria: Manual para uma vida incrível com seu gato”, ambos de Rita Ericson, Ana Matsusaki e Rômolo D’Hipólito;
  • “Coleção A Enciclopédia Ilustrada de Raças de Cães”, da Editora Europa;
  • “Comportamento Animal: uma Introdução aos Métodos e à Ecologia Comportamental”, de Camila Palhares Teixeira, Cristiano Schetini de Azevedo e Luciana Barçante;
  • “A mente do empreendedor”, de Kevin D. Johnson.

Outra boa forma de adquirir conhecimentos sobre a profissão é assistindo vídeos, ouvindo podcasts e lendo textos publicados sobre o assunto. 

Por falar nisso, todos esses meios de encontrar conteúdo podem ser usados por você na sua estratégia de captação de clientes.

Através da produção de materiais ricos e interessantes, como artigos e e-books, por exemplo, as pessoas têm a chance de conhecer mais do seu trabalho e quem sabe, no futuro, entrar em contato para agendar um atendimento para o pet.

Boas práticas de como ser um profissional

Temos também algumas dicas de como ter bons resultados no mercado de pet sitter.

  1. Evite atrasos e, caso seja extremamente necessário, avise ao cliente o motivo, pois isso reforça a sua reputação profissional. Uma dica interessante é ter sempre uma agenda em mãos ou então criar lembretes através de apps;
  2. Crie técnicas para organizar as suas atividades da melhor maneira possível. Se você é autônomo, mesmo com os horários flexíveis, é importante fazer lembretes para não perder nenhum compromisso;
  3. Invista na sua propaganda digital. Hoje, quem quer ser visto precisa estar na internet. Logo, faça perfis nas redes sociais e divulgue seus serviços;
  4. Opte pela transparência e credibilidade. Quanto mais você prestar um bom serviço aos clientes, maiores as chances dele se fidelizar e te indicar para outras pessoas;
  5. Estude o que está dominando o setor, faça cursos, treinamentos, assista palestras e reserve uma quantia para adquirir novos recursos de trabalho.

Agora, depois de chegarmos até aqui, com certeza deu para saber tudo sobre a profissão de pet sitter, não é mesmo?

Para terminar, aproveite para ler o glossário que elaboramos sobre curiosidades do mundo animal.

Não perca a chance de ficar ainda mais por dentro do incrível mundo animal!

Glossário da profissão

Você já ouviu falar de chip para pets? E coleira antipulgas, você sabe o que é? 

Esses e outros itens você confere agora. Acompanhe.

  • Microchip: é um dispositivo minúsculo injetado na pele do animal pelo médico veterinário. Nessa ferramenta ficam registrados as informações do dono do pet. Assim, caso ele se perca, as clínicas que possuírem o leitor de microchip podem rapidamente identificar o tutor do bichinho.
  • Coleira antipulgas: coleira especial própria para o combate de infestações causadas por pulgas e carrapatos, quando outras soluções não resolveram o problema.
  • Plano de saúde animal: equivale ao mesmo plano de saúde humano, só que neste caso, o convênio ampara os animais.
  • Pet shop: comércio em que se vendem acessórios e animais de estimação, aliado ou não a prestação de serviços de embelezamento pet, como banho e tosa.
  • Clínica veterinária: são clínicas destinadas ao acolhimento de animais doentes, seja para consultas, tratamentos e consultas, ambas realizadas por veterinários e auxiliares capacitados.
  • Coleira antipuxão: coleira idealizada para cachorros que puxam muito durante o passeio, feita sob medida para cães de grande porte.
  • Comedouro/bebedouro: recipientes para alimentação do pet, fornecendo-lhe comida e água, respectivamente.
  • Bola pró-canine: bola para distrair o cachorro ou gato, tendo também a função de fortalecer e limpar os seus dentes.
  • Rasqueadeira: escova desenvolvida para tirar o excesso de pêlo do animal, dando brilho e saúde a essa parte do bichinho. Esse objeto pode ser versátil, flexível ou resistente, mas sempre com fácil manuseio, visando a higienização do animal sem agredir sua saúde.
  • Caixa de areia: caixa preparada para que os gatos, especialmente os pequenos, façam xixi e cocô.
  • Autônomo: é um modelo de trabalho em que o próprio trabalhador (como o pet sitter) determina sua carga horária e perspectivas de ganhos, no qual ele pode abrir CNPJ e ofertar seus serviços.

Esperamos que tenha gostado desse guia! Fizemos ele com muito carinho e nosso maior objetivo é ajudar você a se inteirar sobre esse nicho tão promissor.

Portanto, já que você chegou até aqui, não deixe a sorte passar e se inscreva no nosso banco de profissionais. Conheça o GetNinjas e descubra como encontrar clientes em um piscar de olhos!

Você também pode gostar

Deixe um comentário