Saiba tudo sobre profissional autônomo

28 minutos para ler

O trabalho autônomo é uma categoria que vem crescendo muito nos últimos anos e o cenário cada vez mais incerto causado pela pandemia acelerou ainda mais esse processo. 

Com isso, profissionais que antes trabalhavam apenas com carteira assinada, decidiram encontrar formas de se reinventar, criando o próprio CNPJ para exercer atividades sem vínculo empregatício com as empresas.

Entretanto, a decisão de trabalhar por conta própria exige planejamento, organização e conhecimento dos principais direitos e deveres, bem como ferramentas para organizar a própria rotina de trabalho e ser chefe de si mesmo.

Se você já fez essa escolha e deseja se tornar um empreendedor autônomo, acompanhe o guia do profissional autônomo que preparamos para você!

Vamos explicar o que é necessário para ser um profissional autônomo, quais as vantagens, como fornecer serviços aos seus clientes, quais as melhores ferramentas para gestão de atividades, como emitir nota fiscal e mais. 

O que é um profissional autônomo

A estabilidade de trabalhar com a carteira assinada deixou de ser um sonho. Em busca de criar as próprias oportunidades para ganhar independência financeira e profissional, muitas pessoas começaram a realizar atividades autônomas.

É considerado como profissional autônomo aquele que presta serviços de forma independente para empresas ou pessoas por um tempo específico e sem vínculo empregatício. Portanto, o autônomo não possui contrato de trabalho em regime CLT com empresas e pode atuar em diversos projetos ao mesmo tempo.

Os trabalhadores autônomos podem definir o valor que desejam cobrar, em qual projeto vão trabalhar, organizar a própria rotina e prestar serviços de qualquer lugar, com a liberdade de escolher os próprios horários e prazos.

O que é preciso ser para atuar como profissional autônomo

Para trabalhar de maneira independente, é de suma importância que o profissional saiba como gerenciar as atividades e o tempo, de forma a entregar o que foi prometido dentro do período estabelecido.

Neste formato de trabalho, habilidades como boa comunicação e proatividade são fundamentais. Imagine que você foi contratado como trabalhador autônomo e soube entregar exatamente o que o seu cliente desejava, superando as expectativas.

Além de fazer com que o cliente fique satisfeito com o seu trabalho, a probabilidade de você receber mais demandas e indicações será cada vez maior. Mas, antes de se tornar um empreendedor, é fundamental saber a diferença entre os modelos empresariais dentro da área de atividades autônomas.

Qual a diferença entre profissional autônomo, profissional liberal e MEI

Para começar a trabalhar por conta própria e de maneira independente você precisa saber qual condição mais se encaixa com a sua realidade. A seguir, vamos explicar os principais modelos e regras para cada tipo de trabalhador.

Conforme explicamos, o profissional autônomo não possui vínculo empregatício com as empresas e, portanto, não é considerado como um funcionário efetivo. Dessa forma, esse trabalhador pode ou não possuir qualificações e certificações.

Por não trabalhar com a carteira assinada, este profissional não tem direito aos benefícios trabalhistas, tais como: décimo terceiro salário e férias remuneradas. Porém, caso queira receber aposentadoria ou seguro, o autônomo pode optar por contribuir para a previdência de maneira individual.

Outro ponto importante neste processo, é entender como funciona o imposto de renda para o trabalhador autônomo. Ao optar por esse modelo de prestação de serviços, você poderá fazer a sua declaração anual como pessoa física e ter como referência a mesma tabela utilizada pelos trabalhadores de carteira assinada.

Você vai perceber que, a depender da profissão, a modalidade de trabalho indicada pode mudar. Os advogados, engenheiros e médicos, por exemplo, são profissionais considerados como liberais, pois eles possuem um registro profissional feito por uma ordem ou conselho para exercer a profissão.

Portanto, para atuar como profissional liberal, é obrigatória a formação na área específica e a emissão do registro que permite este modelo de trabalho. Essas profissões regulamentadas não exigem um contrato direto com a empresa.

Diferente do trabalho autônomo, o profissional liberal pode optar se prefere obter um vínculo empregatício com uma empresa ou abrir o próprio negócio para realizar atendimentos em consultórios ou escritórios.

Neste formato, o profissional pode se regularizar como uma pessoa jurídica ou seguir prestando serviços como pessoa física e pagar os mesmos impostos que um cidadão comum.

Mas se você não se encaixa nestas profissões e deseja abrir uma microempresa de maneira mais rápida, ser um microempreendedor individual – MEI pode ser uma ótima opção para você. 

O MEI é um regime que foi criado pelo Governo em 2009, com o objetivo de incentivar e formalizar os profissionais autônomos. Com o MEI, você possui uma carga tributária menor e ainda consegue tirar o CNPJ com mais facilidade.

Para se enquadrar neste modelo de negócio, o empreendedor deve ter um faturamento anual de até R$ 81.000,00, não possuir sócios, contratar no máximo um empregado, e se encaixar na lista de atividades permitidas.

Pela facilidade na emissão do CNPJ, o formato mais escolhido é o regime MEI. Entretanto, é válido reforçar que o profissional liberal não tem direito a se enquadrar no MEI, pois esse modelo é reservado apenas para trabalhadores que tenham pequenos negócios e não dependem de formação ou registro profissional.

Sendo assim, advogados, médicos, engenheiros, dentistas, nutricionistas e arquitetos não podem abrir um MEI e, devem escolher entre as outras opções de formalização para exercer as atividades.

Saiba mais: Quem não pode ser MEI?

Quais tipos de profissões podem ser autônomas

Na busca por estabilidade financeira e recolocação no mercado de trabalho, é cada vez mais crescente o número de profissionais que decidem exercer atividades por conta própria, sem vínculo com empresas.

Já vimos as diferenças entre o profissional autônomo, liberal e MEI. Mas você sabe quais tipos de profissões podem exercer trabalhos de maneira individual? 

Separamos para você as áreas mais comuns de atuação de quem realiza atividades autônomas. Assim será mais fácil saber se a profissão que você exerce ou deseja atuar de maneira autônoma se encaixa nos critérios de cada um desses registros.

Tipos de trabalho autônomo

Pesquisando pelo assunto, você vai perceber que a lista de modalidades permitidas para quem deseja se tornar um empreendedor ou microempreendedor é bem extensa.

O trabalhador autônomo pode prestar serviços em profissões não regulamentadas, como: vendedor, cozinheiro, diarista, prestador de serviços gerais e cabeleireiro. Eletricista, encanador, pintor e pedreiro  são alguns trabalhos comuns no mercado e que podem atuar de maneira autônoma. Professores particulares, Coach de vida e de negócios, vendedor de doces, cuidador de pets, Babá e organizador de festas também são tipos de trabalhos autônomos.

Profissionais de beleza e estética podem ingressar como autônomos, prestando serviços de cabeleireiro, designer de sobrancelhas, manicure e esteticista. Com uma boa base de clientes, profissionais que atuam nessas áreas, acabam até mesmo abrindo o próprio salão para dar conta da demanda.

Mas se você gosta de escrever conteúdo para a internet, existem muitas oportunidades no mercado. A área de criação e revisão de textos possui muitas demandas pontuais para trabalhadores que desejam exercer atividades de maneira autônoma.

Afinal, as pessoas estão consumindo cada vez mais conteúdo digital. E, para atender esse mercado que cresce rapidamente, muitas empresas e agências buscam por serviços de freelancers e microempreendedores para produzir, revisar e até mesmo traduzir conteúdos online.

Para ser um bom produtor ou revisor de conteúdo, o mercado não exige uma formação específica de profissionais autônomos. Entretanto, é válido reforçar que o domínio das normas da língua portuguesa é fundamental. 

Conhecimento em marketing digital também é contado como um diferencial para quem deseja trabalhar nessa área, pois, muitos dos conteúdos solicitados aos profissionais, exigem técnicas de marketing.

Portanto, o autônomo que já entende do assunto e possui técnicas de escrita terá mais praticidade para criar o conteúdo e corresponder às expectativas da empresa.

O profissional de contabilidade também pode atuar de maneira autônoma. Neste caso, o contador pode abrir um consultório e prestar serviços para empresas. Assim como nas outras profissões citadas, o retorno financeiro irá depender do desempenho do profissional em cada modalidade.

Por que ser profissional autônomo

Antes de emitir o CNPJ e abrir uma empresa prestadora de serviços autônomos, é importante entender quais são as vantagens de seguir com esse modelo de carreira e começar a ganhar os primeiros rendimentos.

A primeira vantagem de quem escolhe exercer atividades autônomas é a flexibilidade de horários. Sem um modelo fixo de entrada e saída do trabalho, o profissional poderá administrar a própria agenda e conciliar as atividades autônomas com a rotina pessoal.

Outra vantagem de atuar como profissional autônomo, é a possibilidade de trabalhar com o que realmente gosta sem necessariamente prestar obediência aos chefes ou a uma figura superior, algo bem comum em empresas que contratam funcionários efetivos.

Porém, é válido lembrar que, mesmo sem haver um chefe, você terá um cliente pelo qual deverá se comunicar e informar o andamento do trabalho, para mostrar disciplina e responsabilidade. Esse comportamento irá garantir uma boa visão do cliente sobre você e poderá gerar novas oportunidades.

Os autônomos não precisam apresentar certificados para comprovar as habilidades necessárias em determinada área e isso também pode ser dado como uma vantagem. Porém, é de suma importância que o profissional esteja preparado para realizar as atividades, de forma a comprovar as competências na prática.

No geral, os benefícios que mais fazem com que as pessoas optem por trabalhar como autônomas estão ligados a liberdade de ser chefe de si mesmo, escolher os projetos, horários e o local em que deseja trabalhar, sem um modelo fixo pré-definido pela empresa.

Por não ser vinculado ao modelo CLT, o profissional autônomo também possui a vantagem de arcar com uma carga tributária mais baixa.

Por que não ser profissional autônomo

Tornar-se um profissional autônomo é um grande passo rumo à independência pessoal e financeira. Entretanto, antes de tomar essa importante decisão, é preciso estar ciente que, ao fazer essa escolha, você não terá o direito de receber alguns atributos trabalhistas.

Benefícios como décimo terceiro salário, férias, folga remunerada, horas extras, vale-transporte e plano de saúde não são concedidos a funcionários autônomos. Mas quem deseja receber aposentadoria e trabalha por conta própria pode contribuir com o INSS autônomo, que corresponde a 11% do salário mínimo.

Sendo assim, ao comparar o regime CLT com o modelo autônomo, você vai perceber que as desvantagens estão ligadas aos benefícios trabalhistas que são oferecidos apenas para funcionários efetivos. Entretanto, isso não deve ser visto como um fator negativo na decisão de trabalhar de maneira independente.

Afinal de contas, com um bom controle do orçamento financeiro e programação para o futuro, você conseguirá se organizar para pagar as contas e ainda deixar separado aquele dinheiro de emergência para a aposentadoria com tranquilidade.

Como se tornar um profissional autônomo

Para se regularizar como autônomo, é preciso se cadastrar como profissional no Cadastro de Contribuintes Mobiliários (CCM) na Secretaria de Finanças ou equivalente de seu município. Algumas prefeituras disponibilizam esse cadastro pela internet para facilitar o processo.

Depois disso, o profissional deverá se cadastrar como contribuinte individual no ISS. Para aqueles que desejam receber a aposentadoria no futuro, devem também se inscrever na Previdência Social para contribuir todos os meses.

Mas antes de começar a empreender, é importante definir qual modelo jurídico você deseja seguir, pois, é por meio dele que são definidas as regras e obrigações do negócio conforme o porte e atividade da empresa.

Para se tornar um MEI, você pode emitir o CNPJ de forma simples e prática pela internet. Neste regime, você não precisará se preocupar em recolher tributos, pois, eles serão pagos em uma única guia todos os meses.

Outra opção é criar uma Microempresa – ME. Nesta modalidade, o faturamento anual não pode passar de R$ 360 mil e existe um conjunto maior de atividades que poderão ser exercidas.

Diferente do MEI, em que o faturamento não pode passar de R$ 81 mil e você pode ter no máximo um funcionário, com o ME você pode contratar mais funcionários. A quantidade varia conforme o segmento escolhido. A abertura da microempresa é feita pela junta comercial.

Saiba mais sobre MEI e ME aqui 

Direitos dos profissionais autônomos

Por não possuir um vínculo com a empresa e não ser adepto a alguns benefícios trabalhistas, é importante saber quais são os direitos oferecidos ao trabalhador autônomo. 

O profissional que trabalha por conta própria tem direito a aposentadoria, auxílio-doença, salário-maternidade, auxílio-reclusão e pensão em caso de morte. A seguir, vamos abordar cada um desses benefícios no detalhe, para tirar todas as suas dúvidas sobre os direitos dos profissionais que trabalham por conta própria.

Aposentadoria

Mesmo atuando como profissional autônomo ou liberal, você tem o direito de se aposentar por tempo de contribuição, por idade ou por insalubridade. No tempo de contribuição, é considerado o tempo de serviço trabalhado e o benefício mensal ao qual o trabalhador tem direito.

Na aposentadoria por idade, o contribuinte pode se aposentar aos 65 anos se for homem e aos 60 se for mulher. Neste caso, o acesso à aposentadoria se deve a uma contribuição de no mínimo 180 meses.

Já a aposentadoria especial ou por insalubridade, é válida para pessoas que trabalham em situações de risco ou são expostas a agentes nocivos à saúde. Neste caso, o trabalhador pode se aposentar com 15, 20 ou 25 anos de contribuição.

Auxílios 

O auxílio doença também é um direito do autônomo. Portanto, caso haja alguma doença que impeça o profissional de trabalhar, ele pode passar por uma avaliação feita pelo perito do INSS.

Para receber o auxílio, o profissional deverá comprovar que não tem a capacidade de trabalhar provisoriamente e ter uma contribuição mínima de 12 meses para o INSS. 

O auxílio maternidade ou salário maternidade, é um benefício também oferecido pelo INSS para mães que acabaram de ter filhos. O objetivo deste auxílio é complementar a renda das mulheres que não podem trabalhar temporariamente para cuidar do filho recém-nascido. 

Para receber este benefício, a mãe deve ter contribuído por um período mínimo de 10 meses para o INSS. Mães que adotaram crianças ou perderam filhos antes do nascimento, também possuem o direito de receber o benefício por 120 dias.

O auxílio reclusão é pago mensalmente para o trabalhador autônomo que foi preso e contribuiu com o INSS por pelo menos um mês, com status de ativo e sem atrasos de pagamento na previdência social.

Pensão

A pensão por morte é dada aos dependentes do profissional autônomo que foi contribuinte do INSS por pelo menos um mês e esteja com o status ativo na instituição. 

O benefício é de 100% da aposentadoria do contribuinte, caso o mesmo tenha falecido antes de receber a aposentadoria. Com este benefício, os dependentes irão receber uma média de 80% dos maiores salários que o profissional recebeu.

Como está o mercado para o profissional autônomo

Enquanto a economia ainda sofre com os resquícios da pandemia, o trabalho autônomo segue como tendência pelos próximos anos. Com isso, profissionais buscam se reinventar a cada dia para fazer a própria renda por meio do trabalho independente.

A preocupação de quem pensa em assumir o risco de trabalhar por conta própria muitas vezes pode ter relação com o medo de não encontrar oportunidades e demandas para o segmento específico em que deseja atuar.

Entretanto, a possibilidade de trabalhar a distância tem sido cada vez mais considerada também pelos empregadores, pois, muitas empresas começaram a contratar trabalhadores freelancers para projetos pontuais. Algo que gera ainda mais oportunidades para os trabalhadores autônomos.

Tendência do mercado (futuro)

Se você ainda não tem uma área de atuação específica, a dica é ficar atento às tendências do mercado autônomo para o futuro. Pensando nisso, separamos alguns setores que estão ganhando cada vez mais visibilidade e oportunidade para quem deseja trabalhar por conta própria.

Computação e tecnologia

As áreas de Computação e tecnologia da informação vêm ganhando força ano após ano. Nessa linha, profissionais que possuem conhecimento em programação, desenvolvimento web, arquitetura e engenharia da informação, estão sendo cada vez mais solicitados no mercado de trabalho autônomo.

Consultoria e coaching

O profissional autônomo que possui conhecimentos em consultoria empresarial e coaching, pode prestar serviços de consultor para empresas, de forma a ajudar os funcionários das organizações a desenvolver habilidades para alcançar alta performance no ambiente empresarial.

Produtos e serviços

Mas, caso a sua área de atuação esteja mais conectada com a venda de produtos, saiba que criar uma loja e-commerce é uma ótima escolha. Afinal, o número de pessoas que preferem comprar online é cada vez maior. Mas o que vender em uma loja de e-commerce?

O setor de beleza e estética vem em crescimento para os próximos anos. Portanto, a demanda por cosméticos naturais e perfumes tem crescido por parte dos consumidores e isso pode ser visto como oportunidade para profissionais autônomos que desejam vender produtos online no segmento de beleza.

Alimentação saudável

Manter uma alimentação saudável tem sido a preocupação de muitas pessoas. Com isso, surgem cada vez mais diferentes tipos de lojas online com alimentos vegetarianos e veganos. Outra oportunidade a ser explorada neste mercado, são as marmitinhas fit.

Com a rotina cada vez mais apertada e a necessidade de trabalhar de casa, muitos profissionais optam por pedir comida por aplicativo. Para o trabalhador autônomo que atua no setor da alimentação, essa é a chance de começar a vender comida pronta online para os moradores da região.

Marketing digital

Mas, se você possui mais conhecimento no segmento do marketing digital, o mercado autônomo também possui oportunidades para você. Com a evolução das mídias sociais, as empresas têm se preocupado cada vez mais em se comunicar com os consumidores através da internet.

Com isso, é cada vez mais frequente a demanda por profissionais que saibam escrever e-mail marketing, posts para blogs, redes sociais e mais. Portanto, se você tem experiência no assunto, essa é a sua chance!

Independente da área de escolha, existe insegurança dos profissionais em serem autônomos, por conta do medo de não conseguir a renda que planejaram. Mas você pode se cadastrar no aplicativo do GetNinjas e encontrar novos clientes todos os dias! 

E para te ajudar a ter sucesso como profissional autônomo, separamos algumas dicas. Acompanhe!

Como ter sucesso como profissional autônomo

Para se tornar um empreendedor autônomo bem-sucedido, é importante levar em consideração os desafios de trabalhar por conta própria. Assim, você estará preparado para enfrentar qualquer pedra que venha a aparecer no caminho.

A primeira dica para ter sucesso neste modelo, é utilizar tudo que foi aprendido nas experiências anteriores, como conhecimentos básicos em contabilidade e relacionamento com clientes, por exemplo. Essas vivências podem e vão te ajudar  durante o processo de ter o próprio negócio.

Afinal, por ser o próprio chefe, o trabalhador autônomo é responsável por preparar o próprio orçamento, bem como deverá cobrar por cada atividade. Já o relacionamento, envolve a boa comunicação com o cliente.

Com a bagagem dos empregos anteriores, você saberá como lidar da forma correta com o cliente, atender as expectativas do que foi solicitado e evitar maus entendimentos.

Invista no planejamento

Lembre-se que mesmo sem a carteira assinada, é importante que o cliente veja o prestador de serviços como um profissional disposto a ajudar e colocar a mão na massa sempre que necessário.

Por meio dessa boa imagem, a empresa poderá contratar o mesmo profissional com mais frequência e até mesmo indicá-lo para próximos projetos. Outra dica de sucesso para a sua carreira de trabalhador individual, é o planejamento.

Antes de se registrar como autônomo e fornecer serviços, tenha em mente os objetivos e metas que você deseja alcançar neste novo desafio. Com o plano traçado, é hora de elaborar as estratégias que irão tornar o sonho realidade.

O planejamento financeiro também está incluído nesta lista. É por meio dos cálculos financeiros que você irá definir qual é o montante necessário para seguir com o seu próximo passo no futuro.

Olhe para o seu negócio

Imagine a trajetória de uma manicure que presta serviços autônomos e deseja abrir uma esmalteria, por exemplo:

Antes de dar o primeiro passo, ela precisa de um plano bem definido. Portanto, seria necessário realizar o orçamento para entender qual a quantia necessária para abrir um salão e em quanto tempo esse sonho poderá se tornar realidade de acordo com a quantia que ela ganha como manicure atualmente.

Durante toda a jornada do empreendimento individual, podem surgir muitas dúvidas sobre como montar esse planejamento e lidar com questões sobre finanças ou marketing. Mas não tenha medo de contratar profissionais que já possuem experiência de mercado e podem te auxiliar.

Essa atitude pode te gerar alguns custos, porém, irá poupar tempo e recursos que você pode usar em outras áreas da empresa. Manter o controle sobre as finanças pessoais também é muito importante para o sucesso profissional. 

Por este motivo, corte gastos desnecessários e separe um dinheiro de emergência para possíveis custos não previstos. Após começar as atividades autônomas, lembre-se também de continuar se aprimorando na sua área de conhecimento. Essa atitude te trará mais ideias sobre como se manter atualizado no seu segmento.

Dicas para trabalhar como profissional autônomo

Já falamos da importância de ter um bom planejamento financeiro para se tornar um profissional de sucesso. Mas, além disso, o prestador de serviços autônomo deve possuir disciplina para planejar a própria rotina de trabalho.

Portanto, uma dica fundamental é planejar previamente a agenda da semana, de forma a definir em quais horários você irá realizar os trabalhos, dando os devidos intervalos para atividades pessoais.

Uma recomendação vai para quem exerce atividades autônomas em casa, é encontrar um espaço de trabalho adequado, longe de possíveis distrações. Para evitar a falta de produtividade, muitas pessoas optam por trabalhar em espaços compartilhados conhecidos como coworking.

Além de se planejar e manter o foco para deixar a produtividade lá em cima, o profissional autônomo também precisa saber como vender o próprio trabalho. Por este motivo, o marketing é a principal ferramenta de divulgação.

Por meio do marketing, o profissional irá criar a autoridade da área de atuação.  Busque por formas de divulgar o seu trabalho em mídias sociais, de forma a se comunicar com seus clientes e divulgar atividades.

Saiba mais: 9 dicas dos ninjas para você organizar melhor a sua rotina

Para você que está pensando em como vender o próprio serviço, continue conosco, pois reunimos diversas dicas de como fazer divulgar o seu negócio e atrair clientes.

Como vender seu serviço como profissional autônomo

Se você já decidiu em qual profissão deseja atuar e já se sente pronto para receber os primeiros clientes, chegou a hora de entender como vender o seu serviço. Afinal, é com divulgação, que o seu trabalho vai chegar até o seu consumidor.

Antes de dar o primeiro passo, lembre-se de que é importante ter em mente qual é o perfil dos seus clientes e quais são as necessidades deles. Com essas informações, você poderá atuar em estratégias específicas e utilizar uma linguagem mais adequada para lidar com os consumidores do seu serviço.

Após entender quem são os seus clientes e o que eles esperam dos seus serviços, é o momento de você buscar por plataformas que te ajudem a divulgar os seus trabalhos autônomos. 

Redes sociais

As redes sociais são um ótimo exemplo de ferramenta que você pode utilizar não apenas para falar sobre o seu serviço, mas também para se comunicar com os seus consumidores. Por possuir muitos meios de comunicação e publicidade, as mídias sociais são muito utilizadas pelos profissionais autônomos para atingir o público com  maior facilidade.

Portanto, crie perfis da sua empresa em diversas redes sociais e divulgue o seu trabalho de diversas formas de acordo com cada rede. No Instagram, por exemplo, você pode publicar imagens e vídeos com textos curtos.

Tenha seu site

Outra dica legal para você anotar na sua listinha de empreendimento, é criar um site para divulgar o seu serviço autônomo. Com uma página web, você pode colocar seus dados de contato, bem como seu portfólio e link para redes sociais. 

Dessa forma, além de entender quais serviços você oferece, o seu público saberá como entrar em contato com você facilmente. Independente da profissão, criar um blog também é outra ótima forma de ser encontrado pelo seu cliente.

Com um blog, você pode fazer postagens sobre os serviços que você oferece e explicar como eles são feitos, por meio de conteúdos bem estruturados e atualizados, as chances de que muitas pessoas conheçam o seu trabalho autônomo tendem a crescer.

Ferramentas de gestão para trabalhar como profissional autônomo

Ao embarcar no desafio de abrir a própria empresa e trabalhar de maneira autônoma, o profissional freelancer precisa ter responsabilidade para organizar as próprias tarefas dentro da rotina.

Pensando nisso, separamos 4 ferramentas muito utilizadas por profissionais autônomos que desejam realizar a gestão de projetos e obter mais produtividade no dia a dia. 

  • Trello: O Trello é voltado para quem deseja gerenciar as próprias tarefas. Através dessa ferramenta, você pode ter um painel de controle completo com todas as tarefas a fazer, em progresso e finalizadas. Você também consegue colocar datas de entrega, checklists e anotações.
  • Toggl: Ideal para gerenciar o tempo, o aplicativo Toggl irá te ajudar a calcular o tempo médio que você utiliza em cada demanda. Algo que pode te auxiliar a organizar a rotina de trabalho e até mesmo determinar o preço pelo serviço autônomo.
  • Canva: O Canva é muito utilizado por freelancers, pois, com essa ferramenta, é possível utilizar modelos de apresentações, infográficos e até mesmo criar posts para redes sociais. Sendo uma ótima plataforma para quem deseja divulgar os próprios serviços.
  • Google Calendar: Por último, mas não menos importante, o Google Calendar é muito útil para a organização da rotina. Através dessa ferramenta, você pode agendar compromissos e criar lembretes que vão te ajudar a definir horários para as tarefas profissionais e pessoais.

Com todos esses recursos, você terá mais facilidade para organizar e planejar as demandas sem dor de cabeça. Todas as ferramentas sugeridas são gratuitas, não sendo necessário investimento para começar a utilizá-las.

Como se adequar a LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD estabelece regras relacionadas ao armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais. A lei entrou em vigor em setembro de 2020 e impõe penalidades rígidas para quem não se adequar às normas pré-estabelecidas.

Portanto, é dever dos profissionais autônomos ou liberais que realizam atividades e operações comerciais utilizando dados pessoais em meios físicos ou digitais estar dentro da lei. Para saber se a sua empresa se adequa aos critérios da LGPD, clique aqui.

De acordo com os termos da LGPD, o tratamento de dados pessoais só pode ser realizado com o consentimento do titular, ou seja, com uma autorização da pessoa a quem os dados se referem. Portanto, caso você precise utilizar os dados pessoais dos seus clientes de alguma forma, é válido buscar saber mais sobre o assunto.

FAQ – Perguntas Frequentes

Quais os tributos pagos?

Boa parte dos tributos pagos pelo profissional autônomo estão ligados à renda que ganha e à previdência. Para declarar o Imposto de Renda como Pessoa Física – IRPF, é utilizada uma base de cálculo de 15% para rendas entre R$ 1.372,00 e R$ 2.743,00. 

Se a renda do autônomo ultrapassar estes valores, a base de cálculo pode chegar a até 27,5%. O profissional autônomo também deve contribuir com o INSS (caso deseje receber benefícios trabalhistas) e pagar o Imposto Sobre Serviços (ISS). 

Se o profissional se registrar como pessoa jurídica, deverá contribuir com 13% da renda, entre outros impostos como COFINS, PIS E CSL.

Tem direito a FGTS?

Por não possuir vínculo empregatício com a empresa, o profissional autônomo não possui direito ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a outros benefícios, como o 13º salário e férias remuneradas.

Como é a contratação nas empresas?

A contratação de profissionais autônomos nas empresas é formalizada por meio de um contrato que especifique as principais informações sobre a prestação do serviço, tais como a descrição do trabalho que será exercido, prazos, valores, multas por descumprimento e dados de recolhimento de tributos.

Como conseguir clientes?

Para conseguir mais clientes, o autônomo pode e deve recorrer à rede de contatos profissionais de conhecidos. Afinal, o networking sempre foi e ainda é uma ótima ferramenta para compartilhar experiências e criar conexões.

Você também pode buscar por grupos em redes sociais para encontrar profissionais da mesma área que você para encontrar dicas e alternativas que podem te ajudar a desenvolver o seu negócio. 

Outra dica é investir em estratégias de marketing digital para encontrar potenciais clientes de diversas localizações que precisam dos seus serviços. 

Para seguir com essa ideia, você pode utilizar redes sociais, criar blogs ou até mesmo um site. Dessa forma, a sua marca terá mais visibilidade e os clientes chegarão com mais facilidade até você. 

Como emitir nota fiscal

Para a emissão de qualquer tipo de nota fiscal eletrônica, você precisa estar credenciado nos órgãos competentes da sua cidade ou estado, dependendo da sua atividade.

Se você precisar emitir uma Nota Fiscal de Produto (NF-e) ou uma Nota Fiscal de Consumidor (NFC-e), você deverá entrar em contato com a Secretaria da Fazenda do Estado – SEFAZ da região onde a sua empresa está cadastrada.

Mas se você precisa emitir uma Nota Fiscal de Serviço (NFS-e), basta entrar em contato com a Secretaria Municipal de Finanças, de Fazenda ou órgãos similares, da localidade onde seu negócio está cadastrado. 

Para realizar o cadastro nesses órgãos, você deverá ter em mãos documentos como contrato social da empresa e CPF/RG do responsável. Entretanto, lembre-se entrar em contato com a secretaria ou prefeitura da sua cidade para entender como funciona o cadastro e quais são os procedimentos necessários.

No fim de todo o processo, você receberá uma senha e estará apto para acessar o sistema de geração de notas.

Como Comprovar a Renda de um Autônomo?

Para comprovar a renda, o profissional autônomo pode utilizar extratos bancários, recibos, contratos ou Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimento (válida para profissionais de contabilidade habilitados).

Com essas informações, você já pode começar a colocar o seu plano de se tornar um empreendedor autônomo em ação. 

E lembre-se: não tenha medo de arriscar! Imprevistos são comuns, mas com um bom planejamento, você estará pronto para lidar com os problemas, se tornar um empreendedor e seguir em frente rumo a independência financeira e profissional.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.